terça-feira, 19 de maio de 2015

Celebrações e Missões

O porto-riquenho Orlando Costas, no último capítulo do livro sobre Compromisso e Missão, compreende a missão como celebração, abordando aspectos como celebração contextual, comunitária e significativa.  Neste texto ele afirma que o “culto está intrinsecamente relacionado com a ação de Deus na história e a conversão das nações ao Deus trino e uno”.  O que está claro é que a celebração cristã é parte integrante – e diria fundamental – da missão da igreja.  A igreja cumpre a sua missão enquanto celebra a seu Deus em Cristo Jesus e, por outro lado, a igreja celebra enquanto cumpre a missão.  Celebra a Deus por Jesus e sua vitória sobre a morte, o pecado e sobre as nações estendendo o reino; e celebra a alegria de fazer parte no cumprimento da Grande Comissão. 
O mesmo Jesus que diz: “eu vos escolhi (...) para que vades e deis frutos” (Jo 15:16) é o Jesus que aceita e se compraz com o louvor que lhe é prestado pelas crianças (cf. Mt 21:16), do leproso que o curou (cf. Mt 8:2) e de vários outros.  É o Jesus que entra triunfante em Jerusalém sob o louvor e reconhecimento do povo que clamava: “Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor” (Mc 11:9).  E é o próprio Jesus que afirma também que o Espírito da verdade que haveria de vir depois dele para instruir os discípulos em toda a verdade haveria de o glorificar (cf. Jo 16:14).  Para Jesus Cristo, os discípulos que deveriam ir para dar fruto deveriam estar necessariamente envolvidos no processo de louvor e celebração: missão e celebração devem andar sempre juntos, como compromissos inalienáveis da igreja de Cristo.
Uma outra visão diz que, segundo o pastor Fabiano Nicodemo: "o próprio culto tem que ser uma celebração cativante para que as pessoas possam ter vontade de estar ali, voltar e visitar e vindo ouvir a clara Palavra de Deus para que o Espírito Santo possa tocar e transformar suas vidas".
Esta visão estabelece o culto e a celebração apenas como uma estratégia para se cumprir a missão, sendo utilizado para que pessoas sejam alcançadas pela mensagem que deve ser proclamada e tenham a sua vida transformada – único objetivo das missão.  Mas, embora possamos concordar que o objetivo da missão seja transformar vidas ao confrontá-las com a mensagem do evangelho, não é correto limitar o louvor e a celebração na vida e missão da igreja apenas a um atrativo para a proclamação, um meio que será utilizado para se chegar a um fim outro e distinto. 
O chamado missionário da igreja à proclamação deve não só impingir na igreja o ardor por fazer de todas as nações verdadeiros adoradores da glória de Deus, como também ela mesma adotar uma postura de adoração e celebração que visam única e exclusivamente a glória de Deus.  

Um comentário:

  1. Olá, frente a qualidade deste referido blog e seu compromisso com a Palavra viemos apresentar-lhe proposta de parceria, com divulgação de nossa rádio "Diante do Reino".
    Canções 24h exaltando e louvando a Deus.
    Caso tenha interesse na retransmissão da webrádio em seu blog é só pegar o código em http://diantedoreino.blogspot.com.br e clicar na sessão rádio.
    Deus abençoe o seu ministério e o seu blog!

    ResponderExcluir