terça-feira, 22 de dezembro de 2015

OH NOITE SANTA!

Pequena vila de Belém
Repousa em seu dormir
Enquanto os astros lá no céu
Estão a refulgir
Esta é uma das primeiras lembranças que tenho de celebração do Natal.  Não lembro exatamente o ano, mas sei que não tinha ainda oito ou dez anos de idade.  Perfilado no coro infantil, no velho santuário de nossa igreja, vestido com uma pequena beca que cobria os ombros e torço de vermelho e verde, cantei solene e respeitosamente a minha primeira canção de natal.
Já disse em outras ocasiões que o Natal não é a festa que mais me empolga (reveja aqui), mas com certeza não foi pela canção – essa é uma recordação que guardo com carinho.
Entre as várias características mais marcantes do Natal, e de sua celebração entre nós, estão as diversas músicas que dão o tom à festa.  De origens diversas quanto ao lugar e época, elas são uma tradição à parte.  Sei que há aquelas que apenas falam do tal espírito natalino ou coisas parecidas (junto elas às chatices da época).  Mas há as verdadeiras canções de Natal, aquelas que nos falam do inusitado evento de Belém e tudo o que aquilo representa para a nossa história – a história humana – e para nossa alma.  Cristo nasceu no Natal.
Penso que, entre todas, a mais tradicional canção de Natal é Noite de Paz (no original em inglês Silent Night) – todo mundo já cantou.  E não seria exagero dizer que sua melodia se mistura de maneira única com o Natal.
Eu penso, porém, que uma outra música, também tradicional, representa melhor o verdadeiro significado da celebração natalina: Oh Noite Santa! (no original francês Cantique de Noël).
Alguns dados sobre a canção: segundo achei na wikipedia o "Cantique de Noël" foi composta por Adolphe Adam para um poema francês intitulado "Minuit, Chrétiens" (Meia-noite, Cristãos) por um comerciante de vinhos e poeta chamado Placide Cappeau.
Ainda na página da internet, conta-se que em Roquemaure/França, no final do ano de 1843, o órgão da igreja havia sido reformado e para comemorar o evento, o pároco local JS Dwight pediu a Cappeau para escrever um poema de Natal.  Cappeau fez isso, apesar de ser um anticlerical professo e ateu.  A canção foi então estreada em Roquemaure em 1847 pelo cantor de ópera Emily Laurey.
Depois dali, incontáveis outros arranjos já foram feitos.
Mas não são estas informações históricas que fazem dela a tão significativa representação do Natal como celebramos.  É sua combinação muito bem ajustada entre elementos musicais e letra. 
A partitura indica o andamento: andante maestoso.  É neste movimento majestoso que se começa cantando sobre a noite solene quando Deus desceu como homem para estar entre nós.  Um convite à reflexão, contrição e devoção.  A canção segue nos lembrando que a criança naquele berço veio para expurgar a mancha do pecado original.
Chegamos então ao momento principal – grandioso – da canção: Noel! Noel! Voici le Rédempteur! (Natal! Natal! Eis aqui o Redentor!).  As notas agudas propostas para o trecho nos apontam para uma efusão de louvor e exaltação ao Redentor Cristo que nasceu no Natal. 
Diante do Rei dos reis que nasceu em uma manjedoura humilde inclinamos nossas cabeças em reverência, mas somos chamados a, de pé, cantarmos com júbilo ao Redentor.
Oh Noite Santa!  Este é o Natal.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

ORAÇÃO COMO DIÁLOGO DE DOIS AMIGOS

O ser humano por natureza é gregário.  Não foi criado para ser ilha, vivendo de forma isolada.  Por natureza é relacional: procura manter relacionamentos estáveis e duradouros.  É uma necessidade básica da vida.  Não há como sobreviver de maneira sadia no isolamento.  Precisa-se do contato e do encontro com o outro.  Precisa-se de ouvir a voz do outro como normativa de ajustamento emocional e sentimental.
Fomos criados para nos relacionarmos.
Assim é na vida espiritual.  Não há como viver e crescer isoladamente; não há como conversar apenas consigo mesmo.  Precisa-se do diálogo, da troca de informações com o outro.  Por isso, a oração – fonte de diálogo com o Senhor Deus.
Nela podemos expor todas as nossas angústias, frustrações, raivas e alegrias.  Através dela nos tornamos parceiros de um projeto maior elaborado pelo Senhor nosso Deus.  Nela somos impelidos ao encontro com o Sagrado e podemos abrir o coração para Ele.  Com ela nos sentimos gente pois nossa humanidade finita se encontra com toda a Plenitude da Divindade.
É através da oração que podemos estabelecer e aprofundar nossa amizade com Deus; é nela que podemos afirmar e reafirmar para Deus, nossos sentimentos e emoções.  É pela oração que nós podemos nos perceber de carne e osso, porque no espelho de Deus somos completamente desnudados de nossas máscaras e falsidade.  É pela oração que podemos alcançar o coração de Deus e começar a vislumbrar um pouco de tudo aquilo que Ele quer e deseja compartilhar conosco.
É o tempo do diálogo, é o tempo da certeza de uma grande amizade.
Que sejamos identificados como cristãos de oração e não apenas que oram.  Que sejamos considerados amigos de Deus porque conversamos com Ele todos os dias e o dia todo.  Que a nossa vida seja marcada não pelo desencontro, mas pelo encontro com Deus como estilo de vida, porque quando dois grandes amigos se encontram têm muito o que compartilhar, o que falar.  Que assim seja na vida de cada um de nós!

Do seu amigo e Pastor
Gerson de Assis Perruci
Editorial publicado no boletim da IB das Alterosas MG – domingo 20/09/2015.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

O ESPÍRITO DA VIDA – conclusão

Conclusão da resenha do livro: O ESPÍRITO DA VIDA: uma pneumatologia integral; de Jürgen Moltmann, publicado Brasil pela Editora Vozes.
Para ler as anteriores clique:

O Espírito vivificante é por definição um Espírito gerador de vida.  O Espírito é aquele que faz nascer novas criaturas; é o nascer de novo das palavras de Jesus a Nicodemos em Jo 3.  Ao lado da figura paterna de Deus, a figura pessoal da metáfora da mãe expressa bem esta ação do Espírito.  Todo o parágrafo de Moltmann ajuda-nos a compreender esta figura:
A metáfora do re-nascimento, ou do novo nascimento, sugere que se fale de uma divindade parturiente.  Deus é experimentado aqui não como o “Senhor que liberta” mas sim como a “fonte da vida”.  Dar à luz, alimentar, proteger e consolar, empatia e simpatia de amor, são então as expressões que nos vêm à mente para descrever as relações do Espírito com seus filhos.   Elas expressam mútua intimidade, em lugar de uma distância  majestática e respeitosa (pág. 154 – itálico no original).
Desdobrando mais ainda este grupo de metáforas, o Espírito que é fons vitae e vita vivificans é também o que convence o mundo do pecado (Jo 16:8) pois não vem para condenar mas para salvar (Jo 3:17).  Uma vez que “a liberdade viva e a vida livre só ganham consistência justiça”, então: “na justiça, a liberdade humana serve à vida, na verdade à vida comum de todos os seres vivos” (pág. 253).  O Espírito que compartilha do senhorio de Deus e de Cristo é o Espírito que gera vida e, como “Espírito da verdade”,  é o que é o juiz para o seu povo.
Os conceitos de Espírito como “Senhor”, “mãe”, e “juiz” expressam funções e não nomes pessoais.  Funções como tais relacionadas como o Espírito Santo não só se interpenetram como também mostram-se voláteis – o Espírito sopra onde quer (Jo 3).  Assim o segundo grupo de metáforas mostra-nos o Espírito como sendo energia, espaço e figura.  O Espírito – a Ruah de Javé – é a “força da vida” (pág. 255), força que distribui carisma à Igreja e que “chamou tudo quanto vive à grande comunhão da vida, e que tudo aí conserva” (pág. 256). 
Este fluxo de energia, contudo, não se dá no vazio.  Na natureza as forças do caos e do cosmo se  subsistem como sistemas abertos “no intercâmbio flutuante de energia”.  Do mesmo modo, “no plano interpessoal, apesar de todas as diferenças, encontramos campos e ritmos energéticos análogos ao que ocorre nas relações” (pág. 256).  Compreendemos assim o Espírito como o espaço vital onde ocorrem as relações entre os seres humanos e entre estes e Deus.  Espaço este que se amolda às circunstâncias.  O Espírito é a fonte de água viva (Jr 17:13 e Jo 4:14) e como água é a “forma modelada que se desenvolve vivendo”, nas palavras de J.W.v. Goethe (pág. 258).
Um outro grupo de metáforas pode ser inferida da experiência pentecostal do cristianismo primitivo – são metáforas de movimento: o Espírito é vento impetuoso, fogo e amor.  Acompanhando a imagem da Ruah de Javé no AT que, no poema da criação em Gênesis capítulo 1, paira sobre o caos, o Espírito em Pentecostes é “o hálito vital de Deus, que vivifica homens e animais” (pág. 259).  Os cristãos ouviram o som como que de um ruído como de vento impetuoso que veio do céu (At 2).  Mas também viram um fogo colocado sobre a cabeça dos discípulos, associando-se ao fogo da coluna que acompanhou o povo durante a travessia do deserto no êxodo.  O Espírito é fogo devorador (Dt 4:24) o que significa que com o seu zelo o Espírito é um Deus apaixonado.  A manifestação da ira no fogo do Espírito é a demonstração da paixão de Deus: “a ira que atua como fogo devorador se manifesta e é experimentado o zelo do seu amor” (pág. 260).
O último grupo é o das metáforas místicas.  O Espírito é luz, água e fecundidade.  As metáforas místicas são assim denominadas não necessariamente por serem diferentes das anteriores, antes pelo contrário: de certo modo elas completam as idéias contidas nos grupos de metáforas anteriores.  Elas são chamadas místicas “porque estas idéias procedem da experiência mística, e porque elas expressam uma união tão íntima do Espírito divino com o humano e do espírito humano com o divino que mal conseguimos distingui-los” (pág. 261).  A analogia da luz é tão antiga quanto recorrente nos textos bíblicos (cf. Sl 27:1; Mq 7:8; Tg 1:17; 1Jo 1:5 entre outros), contudo “a luz divina do Espírito não é apenas a luz fria do conhecimento racional, mas também a cálida luz do conhecimento amoroso” (pág. 262).  A luz divina do Espírito vem de cima e inunda toda a existência humana, mas a idéia de inundação traz consigo a referência a água que, brotando da terra, também pode inundar o homem.  Aqui Moltmann observa a relação da água do batismo com o líquido amniótico.  Nas águas batismais está o símbolo da maternidade divina do Espírito que envolvem todo o ser humano:  aquele que não nascer da água e do Espírito... (Jo 3:5).
A imagem da fecundidade resulta então da associação das duas imagens: luz e água.  Na figura da planta que nasce estão presentes a luz do sol e a água do solo.  No paraíso primordial havia a árvore da vida (Gn 2:9) e no celestial também a haverá (Ap 2:7).  O Espírito é a fecundidade da luz e do solo que brota na árvore da vida e faz da existência humana um paraíso.  Sobre estas metáforas, Moltmann conclui:
Nas metáforas místicas é suprimida a distância entre um sujeito transcendente e suas obras imanentes. Desaparecem as distinções entre causas e efeitos.  Nas metáforas da luz, da água e da fecundidade, o divino e o humano se encontram numa união orgânica.  Chega-se a uma interpenetração pericorética:  Vós em mim – eu em vós.  O divino passa a ser presença abrangente na qual o humano pode desdobrar-se produzindo frutos.  Com isto é insinuada uma relação mais íntima ainda que através do conceito de emanação (pág. 265).
Assim deve ser compreendido o Espírito da Vida – como uma pneumatologia integral.  Uma compreensão do Espírito Santo de Deus que vise abarcar todo ser humano e o ser humano todo; uma pneumatologia que “pressupõe Cristologia e prepara o caminho para a Escatologia” (pág. 30).  Uma pneumatologia assim certamente apontará para a realidade de um Espírito que ainda que seja o inteiramente outro, é o que está entre nós e o percebemos no cotidiano – um Espírito que ainda que esteja à direita do Pai, contudo tem compaixão e intercede por nós.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

OS MÚSICOS ADORAM AO SENHOR

Aclamem o Senhor todos os habitantes da terra!
Louvem-no com cânticos de alegria e ao som da música!
(Sl 98:4)
É sabido de todos que os cultos evangélicos são sempre ricos em música e louvor.  E isto é bíblico: "Aclamem a Deus, povos da terra!  Cantem louvores ao seu glorioso nome; louvem-no gloriosamente!" (Sl 66:1-2).
E mais uma vez é Deus quem escolhe os que irão conduzir o povo nesta empreitada de adoração.  No tempo antigo Deus escolheu alguns para estarem à frente do povo na adoração – os sacerdotes e levitas.  Hoje também Deus tem escolhido alguns para levarem o seu povo através da música na celebração ao Senhor.  Conduzir o povo em adoração é função escolhida pelo próprio Deus.  É escolha de Deus o estabelecimento daqueles que haverão de comparecer diante dele levando o povo de Deus em adoração.  Ou seja, ninguém escolhe de per si ser o músico que conduzirá a celebração – Deus assim o faz.
Então vejamos: este grupo está, em sua função, diante de Deus e diante do povo.  Está diante de Deus porque a adoração faz com que estejamos na presença sagrada, escolhidos por Deus, ministrando diante dele.  Mas também diante do povo, pois a escolha de Deus é que este grupo seja seu instrumento para fazer o povo louvar.  O Senhor da adoração tem atribuído a função de condutores ao grupo que ministra diante do altar – mais que se apresentar, é preciso levar o povo a adorar.
Louvemos a Deus porque Ele elegeu alguns para nos conduzir em adoração para estarmos diante dele.  Oremos por estes.

(do livro "No Baú da Adoração" publicado em 2004)

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

AGNUS DEI DE MICHAEL W SMITH

Vamos começar pelo título – nada mais óbvio!  A expressão latina Agnus Dei (traduzida como Cordeiro de Deus) é fartamente citada no Novo Testamento como uma referência à Jesus Cristo (veja por exemplo Jo 1:36) e se tornou termo técnico cristão.  Mas aqui eu quero me referir à canção de MW Smith que leva este nome. 
Quanto ao título ainda: em inglês, o título é assim mesmo em latim, mas quando trouxeram para o português toda a letra – na versão que se tornou comum nas nossas igrejas, se não me engano na voz de David Quinlan – o título ficou prejudicado, já que omitiram o verso sobre o Cordeiro.
Identificado o título do texto e da canção, eis algo mais.  Angus Dei, é uma composição do norte-americano Michael W. Smith, gravada originalmente no álbum Go West Young Man em 1990, tendo vendido mais de um milhão de cópias só nos EUA. 
A gravação com o próprio MW Smith ao piano começa com um solo de violino e prossegue com os elementos musicais – melodia, harmonia e ritmo – se encaixando muito bem a ponto de produzir um resultado que convida para dentro da música.  Tem tudo para se tornar um clássico e referência para gerações futuras.
O texto da canção toma base expressões de louvor que podem ser lidas no livro de Apocalipse e é uma declaração grandiosa de louvor e adoração ao Cordeiro.
Àquele que está sentado no trono
e ao Cordeiro,
seja o louvor, e a honra,
 e a glória, e o domínio
pelos séculos dos séculos.
(Ap 5:13)
Como canção de culto, ela dá voz ao que cada servo de Deus haverá de reconhecer por toda a eternidade: o Cordeiro reina como o Todo-Poderoso, pois é santo e digno de receber toda a nossa adoração.
Talvez, os mais implicantes possam até dizer que a excessiva repetição do refrão – a letra não vai muito alem disso, e nem precisa – chegue a comprometer a grandiosidade da melodia.  Eu, porém, sinto exatamente o contrário: nunca é demais repetir que o Agnus Dei é digno.  Quem sabe já não é um ensaio para o grande coro triunfal eterno!?
Este é o nosso destino, pois toda a criação haverá de confessar pelos séculos dos séculos:

Alleluia
Holy
Holy are You Lord God Almighty
Worthy is the Lamb
Worthy is the Lamb.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

O ESPÍRITO DA VIDA – 2ª parte

Continuação da resenha do livro: O ESPÍRITO DA VIDA: uma pneumatologia integral; de Jürgen Moltmann, publicado Brasil pela Editora Vozes.
Para ler a 1ª parte clique aqui.

Embora o termo semita shekiná não se encontre no hebraico do Antigo Testamento “a ideia da shekiná provém da linguagem cultual e significa originariamente o armar a tenda e o morar de Deus junto ao seu povo” e mais, “a shekiná não é uma propriedade de Deus, mas sim a presença do próprio Deus.  Mas não é a sua onipresença, que faz parte da essência de Deus, mas sim uma presença especial, querida e prometida, de Deus no mundo” (pág. 56).  Em outras palavras: é próprio de Deus o estar presente em todas as circunstâncias – devido ao seu atributo onipresente; mas há circunstâncias especiais em que ele se faz perceber de maneira mais real e concreta, dando clara certeza a seu povo de que sua presença naquele evento não só é real a atuante como também é fundamental e decisiva para a consecução histórica do povo.
Esta presença percebida como shekiná do Espírito conforta o ser humano ainda que ande pelo vale da sombra da morte (Sl 23:4) pois ela é certeza que Deus tem descido para taberbacular com o povo (Êx 3).  Pois, como na experiência de Ezequiel, quando a glória de Javé deixa Jerusalém e acompanha o povo no exílio, sofrendo com ele e aguardando a redenção junto com o povo, a shekiná – como que – se separa de Deus para finalmente somente depois junto com o povo retornar ao seu lugar de direito no templo.  Moltmann assegura: “se o seu retornar e o seu tornar a unir-se como Deus excelso é a redenção de Deus, então todas as vezes que a oração do shemá Israel é rezada a unidade de Deus não apenas é professada como eterna propriedade sua, mas ela é também restaurada:  Pela oração a shekiná de Deus no orante volta ao Deus excelso” (pág. 57).
Numa espécie de resumo interpretativo, Moltmann pergunta: “em que é que a teologia da shekiná contribui para a compreensão do Espírito de Deus?”  Ele mesmo responde com três tópicos: 1. A doutrina da shekiná torna claro o caráter pessoal do Espírito; 2. A idéia da shekiná chama a atenção, além disso, para a sensibilidade do espírito para Deus; e 3. A idéia da shekiná aponta para a quenose do Espírito  e completa: “Em sua shekiná Deus renuncia à sua invulnerabilidade e se torna capaz de sofrer, porque ele quer o amor.  A teopatia do Espírito não é nenhum antropomorfismo, mas se torna possível por sua inabitação nas criaturas” (pág. 59).
Para completar este conceito se faz necessário então compreender o que quer dizer inabitação para J. Moltmann.  Ele diz explicitamente que “vivemos num mundo plural e policêntrico, e para participar da realidade precisamos de um conceito de experiência que possua maior número de dimensões” (pág. 44).  Ora isto só é possível através da experiência de Deus no Espírito.  O teólogo alemão diz ainda: “A possibilidade de reconhecer Deus em todas as coisas e todas as coisas em Deus fundamenta-se teologicamente na compreensão do Espírito de Deus como  força da criação e como fonte da vida” (pág. 45).  Aqui está o conceito de inabitação do espírito:  o Espírito de Deus está em todas as coisas e pode ser percebido assim, mas não deve ser confundido com as coisas – Ele está no mundo, mas não é o mundo.  E numa nota de rodapé citando John Wesley ele afirma:
Mas a grande lição que Nosso Senhor nos inculca aqui, e que ele ilustra por seu exemplo, é que Deus está em todas as coisas, e que nós devemos ver o Criador no espelho de todas as criaturas; que não devemos usar e olhar coisa nenhuma como separada de Deus, o que na verdade é uma espécie de ateísmo prático; mas sim, com uma verdadeira grandeza de pensamento, olhar o céu e a terra e tudo o que eles contêm como contidos por Deus no côncavo de Sua mão, e que por Sua íntima presença sustenta todas as coisas no ser, que pervade e atua todo o criado e que, num verdadeiro sentido, é a alma do universo (pág. 45 – itálicos no original).
O conceito de profundo e significativo caráter ecológico cristão vai desembocar necessariamente num outro conceito escatológico.  Aqui, lembrando uma citação de R. Bultmann, Jürgen Moltmann coloca: “Em todo momento dormita a possibilidade de ser ele o momento escatológico” (pág. 45 – rodapé).  Sabendo-se a Escatologia como a conclusão da história, então a inabitação do Espírito de Deus em todas as coisas é a certeza que este pode se manifestar em sua shekiná a qualquer instante, transformando a história em escatologia e subvertendo as coisas em favor do seu povo.  Como diz o texto sagrado: Todas as coisas contribuem para o bem dos que amam a Deus (Rm 8:28).
Mas a experiência do crente com o Espírito não é só o numinoso, o brilhante, o transcendente.  É também o imanente, que pode ser compreendido – mesmo que em metáforas – e que pode ser apreendido em conceitos que lhe dê contornos de personalidade.  Embora o próprio Moltmann confesse que “o perceber com mais exatidão a personalidade do Espírito Santo é o problema mais difícil da pneumatologia em particular e da doutrina trinitária em geral” (pág. 250); é também verdade que é possível aproximar-se “da personalidade do Espírito Santo sem pressupor nenhum conceito de pessoa, e isto de duas maneiras: por um lado através do estudo das metáforas com que têm sido descritas as experiências do Espírito, e por outro através de uma renovada reflexão sobre suas relações de origem e suas relações trinitárias de perfeição” (pág. 251).
Quatro grupos de metáforas são propostas para que se compreenda a personalidade do Espírito e como ele se manifesta para os seres humanos.  (1) as metáforas de pessoas; (2) as metáforas  de forma; (3) as metáforas de movimento; e (4) as metáforas místicas.   O próprio Moltmann justifica e explica o uso das metáforas: “À força da imaginação e da expressão metafóricas não são impostos limites.  Mas é preciso levar a refletir que hoje as imagens tiradas da natureza, como ar, luz, água, fogo e outras, são imagens de uma vida prejudicada.  Desde Chernobyl também a confiança do homem na natureza ficou abalada.  (...)  Também isto não é imaginado de uma maneira romântica, mas expressa a busca por experiências primárias e por experiências de vida próprias e autênticas, onde nos deparamos com a presença da eternidade” (pág. 252).
Nas metáforas de pessoas, o Espírito Santo é comparado às figuras de Senhor, Mãe e Juiz.  O texto de 2Co 3:17 diz que O Senhor é o Espírito e Moltmann lembra que toda vez que “quando este Espírito é então chamado Senhor, está sendo dado a ele o nome israelita de Deus, segundo o 1° mandamento” (pág. 120).  É o brilho radiante expresso no rosto de Moisés quando desceu do monte santo após ter visto a face do Senhor e que foi reconhecido em Jesus como aquele que é visto como a glória do unigênito do Pai (Jo 1:14).  Assim, ao reconhecer no Espírito a mesma metáfora pessoal de Senhor que foi atribuída a partir do nome vétero-testamentário ao Deus de Israel, compreendemos que este Espírito é também pessoal e divino.
No conceito de senhorio de Deus e de Cristo que é também atribuído ao Espírito, embora esteja contido o conceito de posse e mando, não está necessariamente excluído o conceito de liberdade, afinal de contas, onde está o Espírito de Senhor aí há liberdade (2Co 3:17).  Desdobrando esta idéia, verificamos que “liberdade sem vida nova é vazia, vida sem liberdade é morta” (pág. 253).  Assim, a liberdade contida no Espírito-Senhor é uma liberdade vivificante.
Continua
Leia a conclusão aqui

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

CELEBRANDO A COMUNHÃO DOS SANTOS

Periodicamente celebramos em nossa Igreja a Ceia do Senhor, isto fazemos seguindo tanto à ordenança do Mestre (há ordem para partilhar em Lc 22:17) quanto à tradição que nos vem dos cristãos primitivos (veja a constatação do evento pentecostal em At 4:42).
Só por estas citações iniciais já fica clara a ligação entre ceia cristã e comunhão, relacionamento, partilha e fraternidade.  Chamá-la de Comunhão seria então reconhecer nesta celebração cristã mais que um rito, mas um momento de reafirmação de valores sagrados de nossa fé e prática.
Assim seguindo essa linha de raciocínio, deixe-me apontar algumas verdades que celebramos sempre ao compartilhar o pão e o vinho em culto ao Senhor (antes de prosseguir veja este conceito de ceia como adoração em 1Co 10:31).
Ter pão e vinho em nossa adoração é celebrar a obra de Cristo na cruz quando desfez a separação entre os seres humanos, e a todos nos deu acesso ao Pai, criando um novo homem e fazendo a paz entre nós (está dito em Ef 2:14-18).  A ceia deve nos trazer à memória que em Cristo não há mais distinção entre judeu e grego (claro em Rm 10:12).
Voltando a Efésios.  Sabemos, quando nos reunimos para celebrar a Cristo, o mistério finalmente revelado da suprema vontade de Deus, que agora somos co-herdeiros com Israel e membros do mesmo corpo (em Ef 3:2-6, mas veja a forma simbólica como Paulo diz isso em Rm 11:11-24).
O desdobramento desta celebração é que quando comemos e bebemos juntos em memória do crucificado, sabemos que foi por ele que deixamos de ser apenas um bocado de gente para nos tornar efetivamente povo de Deus (confira em 1Pe 2:9-10).  Se somos hoje o povo escolhido de Deus é porque por Cristo – simbolizado na mesa – ele nos resgatou para ser seu povo e reino (complete a leitura bíblica em Cl 1:12-13).
Em especial também nos elementos da comunhão celebramos o óleo da bênção derramado na fraternidade cristã (tome as palavras do Sl 133).  Quando comemoramos a nossa vida em união – e somente através de Cristo conseguimos transformar este projeto em realidade – trazemos para nossa vivência como comunidade de fé a certeza de que Deus tem interesse pleno nesta unidade (na oração do Mestre em Jo 17:21) e reafirmamos que aqui – e primordialmente aqui – é onde o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre (ainda no Sl 133:3).
É com esta visão que nos juntamos periodicamente para celebrar e reafirmar que em Cristo nos tornamos e nos mantemos como Comunhão dos Santos – essencialmente igreja de Cristo.  Nesta fraternidade e para glória do Senhor: celebremos a comunhão.

(Originalmente publicado no sítio ibsolnascente.blogspot.com em 19 de junho de 2009)

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Os nomes de Deus no AT – YHWH

Já citei um primeiro quadro com nomes pelos quais Deus foi conhecido no AT (reveja aqui).  Como disse, cada nome expressa uma verdade sobre sua pessoa, seu caráter ou suas manifestações.  Veja mais neste quadro a relação dos diversos nomes pelos quais Deus se revelou, tendo como base o seu nome próprio – YHWH (em hebraico: יהוה)  foi conhecido no Antigo Testamento: 


sexta-feira, 20 de novembro de 2015

POR QUE DEUS DÁ A PROFECIA?

A despeito das previsões do Positivismo, a modernidade tem visto ressurgir o espírito religioso.  Curandeiros, místicos e profetas povoam o nosso mundo secularizado.
Os cristãos não escapam desta tendência e aproveitam este tempo para vivenciarem os seus dons carismáticos e lançarem suas profecias.
O fenômeno da profecia antecede até o próprio movimento do cristianismo.  O profetismo clássico em Israel é um dos momentos mais significativos da história das religiões.  A certeza de que assim fala Javé... inspirou o judaísmo e transpirou para o cristianismo desde muito cedo.  Mesmo os cristãos tendo a convicção de que havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, também é certo que nestes últimos dias a nós nos falou pelo seu Filho (Hb 1:1-2).  Mas não se pode negar que ainda são vivas as palavras do profeta Amós quando diz que certamente o Senhor não fará coisa alguma sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas (Am 3:7).
Para qualquer lado que se olhe é inegável que o Deus dos cristãos dá a profecia aos seus servos, e faz isso consciente e intencionalmente, hoje, através do seu Santo Espírito.  Então, por que Deus dá a profecia?
Deus tem interesse na história da humanidade.  Homens e mulheres constroem a sua própria história ao longo da caminhada decidindo o que fazer nas diversas circunstâncias e situações do dia a dia, mas o Filho de Deus que tem nos falado dirige esta história conduzindo-a de modo a que o Reino de Deus possa achar espaço na construção dos seres humanos.
Nas diversas decisões, homens e mulheres têm se desviado do projeto original de Deus e assim se encaminhado a autodestruição quer como indivíduos quer como comunidade.  É nesta situação de inegável aniquilamento que Deus dá a profecia.
A História sagrada conta que Deus foi ao encontro de Jonas e lhe ordenou que fosse a grande cidade de Nínive e exortasse àquele povo para que se arrependesse antes que Deus os destruísse.  A profecia vem assim ao encontro do povo e o desafia a voltar-se para o Senhor enquanto há tempo de volta.  No caso de Jonas, parece que só o próprio profeta não entendeu o objetivo da profecia.
Com Ezequiel as palavras divinas parecem mais claras: Filho do homem, eu te dei por atalaia sobre a casa de Israel; quando ouvires uma palavra da minha boca, avisá-los-á da minha parte.  Quando eu disser ao ímpio: “certamente morrerás”; se não o avisares, nem falares para avisar o ímpio acerca de seu mau caminho, a fim de salvares a sua vida, aquele ímpio morrerá na sua iniquidade; (...) por outro lado se tu avisares o justo, para que o justo não peque, e ele não pecar, certamente viverá, porque recebeu o aviso; e tu livraste a tua alma (Ez 3:17-21).
Deus dá a profecia porque tem interesse em que o ímpio se desvie dos seus maus caminhos e se converta ao Senhor; dá a profecia porque espera que o justo não venha a pecar e se afaste de Deus.  A profecia vem de encontro ao ser humano que está no processo da vida, diante da possibilidade de perecer, para que este possa escolher seus caminhos.
É certo que a alma que pecar, esta morrerá, mas Deus dá a profecia para que esta alma que está em pecado possa se reposicionar diante de Deus.  A palavra de Deus na boca dos profetas não é a predição do cataclisma final e fatal mas é o atestado do amor e do cuidado de Deus para com os seus filhos para que estes possam repensar e reconstruir as suas próprias histórias e assim evitarem o mal que está por vir.
A profecia dada por Deus não é o atestado da fatalidade diante da qual nada resta a humanidade a fazer a não ser se conformar às circunstâncias.  Nada mais estranho à profecia que o fatalismo, ou a visão de que o mundo está irremediavelmente perdido e portanto nos afastemos dele esperando que Cristo volte para exercer a sua justiça.  Deus dá a profecia para que o mundo – criação conjunta de Deus e seres humanos – possa não ser abandonado à sorte do tem de ser mas que possa ser vislumbrado sob a ótica do pode ser.

Eu escrevi este texto e ele foi publicado originalmente em O Jornal Batista em novembro de 1996.  

terça-feira, 17 de novembro de 2015

COMENTÁRIO BÍBLICO AFRICANO

Que ninguém sabe tudo e pode tudo sozinho é verdade inexorável (eita frase!!!).  Mas deixemos a frase de efeito e vamos ao que tenho para dizer.  Reconheço que em minha trajetória e formação teológica e pastoral sou devedor de cristãos do passado e presente que me enriqueceram com suas palavras, experiências, lições e visões da fé, do cristianismo e da própria Bíblia.  Se não fossem eles, eu não chegaria aqui.
— É assim que eu quero introduzir o Comentário Bíblico Africano – CBA.
Eu o encontrei por acaso (se é que existe acaso!!!) numa livraria aqui em Aracaju.  Estava procurando outra coisa e aquele volume maciço me chamou a atenção.  Resolvi levá-lo.
Alguns dados da obra: ela é apresentada em seu subtítulo como "um comentário em um volume escrito por 70 eruditos africanos".  O editor-geral é Tokunboh Adeyemo – bispo da Igreja Metodista de Gana.  Há autores (homens e mulheres) de várias nacionalidades e etnias: etíopes, angolanos, ganeses, nigerianos e outras tantas – percorri a lista e preciso confessar: até então nunca tinha sequer ouvido falar de nenhum deles.  A primeira edição em inglês é de 2006 pela ABC Editorial Board e a edição em português é de 2010 pela Mundo Cristão.
Vamos a uma visão geral da obra – bem geral, pois falar de 1625 páginas em poucas linhas não dá.
Até hoje nunca tive o privilégio de conhecer pessoalmente a igreja africana, mas as informações de colegas e amigos nascidos naquele continente com os quais mantenho contato (a internet continua uma excelente ferramenta), e leituras outras, dão conta que o cristianismo na África mantém uma vibração e dinamismo próprios.
— Pelo que vejo e ouço os cultos lá são fenomenais!
Gostei da visão geral proposta pelo Comentário, bem cristocêntrica e evangélica – contudo sem deixar de considerar e valorizar tanto a herança e tradição continental em suas diversas nuances como a riqueza cristã que ali se desenvolveu e continua aflorando.  É como se eles estivessem escrevendo para eles mesmos sobre sua compreensão do texto bíblico – e talvez seja mesmo – e nisto repousa a relevância da obra.
Não que tenha algo contra a tradição européia e norte-americana, elas têm seu lugar e importância em nossa herança; mas a contribuição africana só faz agregar ao rico cabedal (deixe-me trocar esta palavra: patrimônio) cristão.
Tenho mantido o CBA junto a minha mesa de trabalho e o consultado com relativa assiduidade.  Suas contribuições à minha reflexão bíblica são valorosas.

Antes de terminar, deixe-me ainda lançar uma ideia e desafio aos nossos biblistas e editores: Por que não produzimos e lançamos um COMENTÁRIO BÍBLICO NORDESTINO?

terça-feira, 10 de novembro de 2015

O ESPÍRITO DA VIDA – 1ª parte

Resenha do livro: O ESPÍRITO DA VIDA: uma pneumatologia integral; de Jürgen Moltmann, publicado no Brasil pela Editora Vozes.

O fim do século XX e o início do século XXI assistiu não somente o declínio da modernidade com seus pressupostos de supremacia racionalista que se demonstrou hegemônica no Ocidente deste o fim da Idade Média, como também – e conseqüentemente – viu ressurgir valores menos “científicos”, ou seja menos empíricos e mais experienciais.  É claro que esta reação já vinha sendo engendrada há algumas décadas, mas é o fim das utopias históricas tal qual as conhecemos no século XX que vai decretar a chegada de novas perspectivas aos pensamento humano ocidental.
Neste rastro, o fazer teológico, até então dominado pelo cientificismo e racionalismo principalmente europeu (mas também norte-americano e do terceiro mundo) começa a exigir que se dê espaço a outras reflexões e se ouças outras vozes.  E estas outras vozes começam a falar.  E entre elas, o Espírito mais uma vez encontra lugar.  É neste veio que o livro de Jürgen Moltmann se encontra.  Curioso é que o autor seja um acadêmico europeu que se tornou famoso no universo teológico pela sua exposição técnico-científica sobre a esperança.  Mas agora o tema é o Espírito: Uma Pneumatologia Integral – um Espírito que dá Vida.  É claro que não se tem por objetivo “chegar a uma sistematização acabada” (pág. 252) do tema, como bem o frisou o próprio autor, mas tentar perscrutar o Espírito através de suas próprias ações e personalidade para se chegar a um conhecimento mais significativo.
Embora seja verdade que a ação do Espírito seja registrada nos textos bíblicos e sua presença seja atestada desde sempre no transcurso da histórica da fé em Israel, bem como de sua sucessora – a Igreja; também é verdade que o tema nunca mereceu maiores estudos por parte dos doutores da Igreja.  Outros temas como revelação, cristologia ou eclesiologia sempre tiveram prioridade na agenda das questões teológicas.  Somente grupos dissidentes, místicos e visionários falavam do Espírito e ainda assim de modo clandestino.  Ultimamente, contudo, o tema da pneumatologia vem ganhando destaque em todas as discussões, não só porque a pós-modernidade trouxe de volta a importância de uma reflexão menos racionalista e mais experiencial como também porque os discursos antes clandestinos sobre o se sentir espiritual agora podem se mostrar.
É aqui que o livro de Moltmann se mostra bastante relevante e atual.  O texto procura abordar o tema tanto sob a ótica da revelação sistematizada e mediada pelos textos, como pela própria experiência do crente em sua vivência com o Espírito, sem que nenhum dos dois aspectos seja esquecido, porém colocado em seu devido lugar.  Sem parecer contraditório, Moltmann apresenta os dois elementos necessários para a compreensão adequada do Espírito.  Citando Paul Tillich ele diz que “O Espírito Santo não é em absoluto apenas uma questão de revelação, mas também uma questão de vida e de fonte de vida” (pág. 19).  Mas por outro lado, “então o Espírito Santo não é um elemento de nossa experiência de Deus, mas sim um elemento da revelação de Deus a nós” (pág. 17) e mais adiante ele propõe a solução para a equação: “mas Revelação e experiência só são contraditórias nas estreitas concepções da filosofia moderna” (pág. 18).
Assim, “teologia da revelação é teologia da Igreja, teologia dos pastores e dos padres; teologia da experiência é prioritariamente uma teologia para leigos” (pág. 29).  E mais uma vez citando Tillich observamos que se Deus é “aquilo que nos toca incondicionalmente” (pág. 38) então o conhecimento do espírito divino tem que advir de um revelação que seja tanto experienciada quanto nos toque de maneira última – ou seja: eu só conheço Deus quando sou tocado pela revelação de maneira incondicional e isto só me acontece quando este tocar se dá pela experiência do Espírito que é ao mesmo tempo transcendente – para ser razão última – e imanente – para tocar.  Consequentemente dois aspectos da pneumatologia podem ser destacados no trabalho de Moltmann:  primeiro o Espírito está presente na shekiná de Deus quando a transcendência divina se faz experiência histórica do Espírito e segundo o Espírito na sua personalidade o qual é e será sempre o outro tanto na relação trinitária quanto na sua imanência em relação ao ser humano.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

PERDI MEU PEN DRIVE

Eu tenho (ou tinha) um pen drive azul, não é lá essa quintessência da tecnologia.  Com "apenas" 2 GB de capacidade de armazenamento, ele me serve muito bem para objetivos práticos: guardar momentaneamente alguns arquivos, enquanto os transporto daqui para ali.
Não tem muita coisa guardada nele: alguns documentos escaneados, algumas fotos e figuras que por qualquer razão ainda não apaguei, outros arquivos de texto, algumas poucas pastas de música e outras com filminhos que os amigos me mandam nas redes sociais e algum dia eu planejava organizar.  Nada de verdadeiramente indispensável.
Mas não o acho já faz algum tempo.  Sinto falta de sua função prática, bem mais que seu conteúdo em si.  Pus-me a procurá-lo (a frase ficou chique assim, com dois pronomes em ênclise!).  Mas nada...  não sei onde está...
E enquanto procuro, minhas idéias vão viajando, o impulso é quase irresistível (talvez seja por isso que ainda não encontrei – quem sabe?).  Uma ideia amarra na outra, e assim vai.  E nada de achar o dispositivo.
O primeiro pensamento é como a tecnologia se torna tão rapidamente obsoleta – obvio!  Não me acho assim tão velho, mas me lembro dos velhos disquetes e de como eles não têm mais lugar para serem sequer lidos no computador de mesa que eu trabalho agora; quanto mais no tablet que me acompanha e em outros gadgets que se tornaram extensões quase inseparáveis de nossa existência hoje.
Acontece que até pouco tempo ainda guardava uma caixa cheia dos tais disquetes.  Até que me dei conta que o tempo simplesmente o ultrapassou tudo o que eu havia guardado ali, como uma onda – decidi jogar tudo fora e não sinto falta. 
E não me venha com o argumento de que se estivesse em papel não se perderia tão facilmente.  Além de ser simplório, não se atém ao ponto principal: transitório => obsoleto / perene => essencial – quais as variáveis desta equação?
Mas a vida continuou.  E as idéias também.
Tem ainda a questão entre o valor das coisas e dos meios (pen drive é mídia) em detrimento das pessoas – o já percorrido caminho entre ter, usar e ser.
E as idéias prosseguem pipocando...
Daí uma avaliação do tempo gasto é inevitável: vale o tempo gasto na procura?  O que invariavelmente leva a: e o tempo com os filminhos e músicas? 
É verdadeiro que já não colecionamos nem juntamos suvenir, chaveiros, folhinhas, canetas e outras cositas (vá lá, tem gente que ainda guarda!!!) – hoje juntamos arquivos .doc .mid .jpg .mpeg .mp3 .mp4 .gif .mov .zip .wma .exe e por aí vai.  A maioria deles só acumulamos – ficam lá no pen drive, na memória do celular, ou em uma pasta esquecida qualquer para, quem sabe, um dia se mexer neles, nem que seja só para apagar e aliviar a memória da máquina (e talvez a nossa própria).  E depois baixar mais...
Então calmamente vou misturando tudo no caldeirão das idéias e lembro dos disquetes que se foram, assim como o pen drive sumido – e que depois deles virão outros, e outros, e outros, e outros.  Mas as idéias ainda estão na minha cabeça, e depois delas virão outras, e outras, e outras, e outras.  Só que elas germinarão, darão à luz mundos novos, coisas novas, surpresas novas, idéias mais novas.  E isso me moldará mais humano, mais à imagem do Criador.

Ah! Ainda não achei o tal pen drive.  Vou dar mais uma olhada, quem sabe!?

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Os nomes de Deus no AT – 1ª parte

O Deus único a quem adoramos se revelou no Antigo Testamento a partir de diversos nomes.  Cada um deles expressando uma verdade sobre sua pessoa, seu caráter ou suas manifestações.  Veja neste quadro uma relação dos diversos nomes pelos quais Deus foi conhecido no Antigo Testamento: 



Veja aqui uma relação dos Nomes de Deus com base no Tetragrama Sagrado - YHWH

terça-feira, 27 de outubro de 2015

REFLETINDO NA PALAVRA DE DEUS


Prega a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda paciência e doutrina.
(2Tm 4:2)
Durante toda história da Celebração Cristã, os cânticos e demais movimentos litúrgicos sempre foram acompanhados da reflexão e estudo bíblico.  Ou seja, paralelamente às celebrações do culto cristão sempre se deu ênfase à leitura da Palavra de Deus e ao estudo dela como componente fundamental dos momentos de culto cristão.
Acompanhando este movimento, Deus sempre levantou seus servos e servas para estudarem a sua Palavra, compreenderem as suas verdades e captarem as suas lições podendo aplicá-las às vidas dos cristãos que em cada momento buscam a presença de Deus no culto para experimentar da sua companhia e receber do seu alimento.
Hoje também Deus tem levantado homens e mulheres para que possam trazer a Palavra de Deus àqueles que o buscam.  Já desde os tempos antigos Deus tem afirmado que "não faz coisa alguma sem revelar o seu plano aos seus servos, os profetas" (Am 3:7).   Assim é que Deus tem falado aos seus servos para que estes, por sua vez, falem ao povo e assim seja manifesta a vontade do Senhor no meio da igreja.
No culto cristão, hoje, os pastores exercem a função profética: são levantados por Deus, que os comissiona para serem os porta-vozes de suas intenções.  Então compreendemos que o pastor diante de sua congregação é responsável perante Deus por aquilo que diz ao povo – Deus fala por sua boca.  E compreendemos também que ao povo cabe tanto interceder para que a voz de Deus seja ouvida e claramente compreendida, como ter humildade para se submeter a esta vontade expressa.
Que Deus nos faça ouvir a sua voz através dos seus servos.

(do livro "No Baú da Adoração" publicado em 2004)

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Música, Identidade e Política

Ninguém duvida da importância da música para o indivíduo e para a sociedade. Ela é tão importante que o poeta nordestino Geraldo Azevedo chega a afirmar que "quem inventou o amor teve certamente inclinações musicais" e, Rubem Alves, "que o povo cantou a Reforma antes mesmo de entendê-la" (Dogmatismo e Tolerância, Edições Paulinas, SP, 1982).
A música é significativa na identificação de um grupo social.  Chega a ser símbolo nacional.  No caso batista, a encadernação do Cantor Cristão junto com a Bíblia, por razões econômicas e operacionais, contribuiu de forma tal para o fortalecimento simbólico do Hinário que, para alguns, a autoridade de suas letras, como as da Bíblia, deveria ser indiscutível e insubstituível.  Suas letras e melodias, continuam servindo de identidade para boa parte das reuniões de batistas.
É interessante analisar os resultados dos investimentos em educação musical, feitos pelas denominações, bem como da popularização tecnológica dos meios de reprodução de sons e partituras.  Se por um lado, eles possibilitaram o crescimento e a proliferação da produção nacional de música evangélica, por outro, contribuíram para o enfraquecimento de um dos pilares simbólicos da nossa identidade denominacional, o Cantor Cristão.
A partir desse fato, houve uma divisão entre os que defendiam a manutenção exclusiva, nos cultos, dos hinos tradicionais do referido hinário, e os que defendiam a inclusão de hinos e cânticos contemporâneos.  O HINÁRIO PARA O CULTO CRISTÃO foi uma tentativa de conciliação, mesclando hinos antigos e novos com o propósito de, sobretudo, preservar a identidade batista.  O maior obstáculo porém, a esse projeto, tem sido a tecnologia.  É que é muito mais cômodo e menos oneroso cantar lendo uma projeção de um retroprojetor do que ter que adquirir e segurar um pesado livro.  É muito mais fácil e agradável aprender novos hinos ouvindo-os através de um CD ou do rádio, no conforto do lar, do que repetindo-o, sob a orientação de um regente.
Sem perceber ou querer admitir essas realidades e na tentativa de fazer prevalecer um tipo de música em detrimento de outro, a postura de alguns tem sido a de combater a escolha musical alheia.  Subliminarmente a "argumentos técnicos", subsiste uma velada disputa política, no sentido de fazer prevalecer gostos, costumes, crenças e valores.  Em nome da boa "qualidade técnica", percebe-se a defesa de músicas oriundas de países colonizadores e a acusação das geradas na própria região ou em países subdesenvolvidos, como sendo de mau gosto e, até, demoníacas; as executadas nos encontros da elite social são as de bom gosto e as cantadas pelas massas, ruins.  Por isso, tão importante quanto avaliar a música evangélica contemporânea em seus aspectos estéticos ou teológicos, seria, também,  pôr em xeque os pressupostos sociológicos embutidos na postura de seus críticos. 
Para a maioria das pessoas, a qualidade (conceito bastante relativo) de uma música está menos ligada a sua origem geográfico-econômico-cultural e mais às lembranças e sentimentos que suscita.  Precisamos, por isso, superar o complexo de colonos, cujo ideal de vida é a vida dos colonizadores e, sem xenofobismo, investir numa educação musical democrática que garanta ao povo o direito que lhes é inerente, de fazer uso, também, do que tem sido produzido em seu círculo, a fim de que, a partir dessa experiência, se continue a construir uma qualidade musical cada vez melhor.

 Este texto foi escrito pelo meu amigo e colega o Pastor Edvar Gimenes de Oliveira há mais de uma década, quando ainda pastoreava na cidade do Recife.  Como eu acredito que os argumentos continuam relevantes, e bons para começo de conversa, aí está publicado.

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

A PELEJA NÃO É VOSSA

Josafá foi um rei de Judá que governou em Jerusalém no século IX a.C.  Descendente direto do rei Davi, ele procurou seguir os caminhos de seu ancestral (confira em 2Cr 17:1-3) e o Senhor lhe concedeu vitórias em diversas ocasiões.
Em uma destas situações de conflito, quando seus vizinhos de Moabe a Amon se juntaram para desafiar as tropas de Judá, a notícia logo chegou aos ouvidos do rei e do povo: "Um exército enorme vem contra ti de Edom, do outro lado do mar Morto".  Embora isto tenha causado um certo temor, mais uma vez Deus se mostrou fiel e a batalha foi ganha (este é o episódio em que os levitas vão à frente do exército cantando e o Senhor triunfando – veja toda a narrativa no capítulo 20 de 2Cr).
O texto deixa claro que tudo isso aconteceu mediante a palavra profética de Jaaziel, um levita sobre quem veio o Espírito do Senhor.  Mas o que quero destacar para a reflexão aqui são duas atitudes reais que estão colocadas na narração antes e depois da intervenção divina (até parecem que se apresentam como moldura do quadro principal que é a declaração do Senhor em 2Cr 20:15 – a peleja não é vossa).
Diante da situação-problema e pressentindo o pavor rondando Jerusalém, Josafá reuniu o povo e em assembléia solene buscou ao Senhor em oração (nos versos de 2Cr 20:3-6).  Ele sabia que antes de enfrentar qualquer batalha é preciso consultar ao Senhor e buscá-lo em oração.  Mais do que um conhecimento do potencial do exército e da ameaça inimiga, o rei conhecia o Senhor e o seu poder e sabia que força e poder estão nas mãos divinas (verso 6).
Quem vê os problemas apenas se esconde e foge.  Quem tem intimidade com o Senhor dos Exércitos, ora e se fortalece.  Assim foi com Josué diante de Jericó (em Js 5:13-15); assim foi com Eliseu diante dos exércitos da Assíria (em 2Rs 6:17) e assim foi com o próprio Jesus no Getsêmani (em Mt 26:36).
Depois de ter ouvido a resposta a sua oração por boca profética, mesmo sem ter ainda visto o fim da batalha, a Bíblia conta que o rei se prostrou com rosto em terra em adoração ao Senhor (no verso de 2Cr 20:18).  A palavra de Deus é suficiente para que o coração de quem confia nele possa descansar em segurança.  O segredo não estava numa estratégia geniosa ou impressionante – lembre-se que a batalha foi ganha com louvor.  Mesmo antes da luta, já era possível cantar a vitória! 
Todo crente fiel que vivencia experiências com o Deus que é mais que vencedor sabe que pode louvá-lo desde já.  Foram estas as palavras do Sl 42 nos versos 5 e 11 e do Sl 43:5; foi esta a oração de Hacabuque (em Hc 3:17-18) e assim procedeu Paulo e Silas na prisão (leia At 16:25 – e como foi tremenda a intervenção divina!).
A história de herois da fé no passado como foi o caso do rei Josafá ainda é para nós um estímulo e um desafio.  Ainda temos inimigos a nos afrontar.  Mas principalmente ainda temos a nossa frente um Deus que é Senhor dos Exércitos e peleja por nós.  Se a confiança que moveu Judá no passado ainda é a mesma em nós, então antes de entrarmos em batalha, que consultemos e busquemos o Senhor em humilde oração e submissão e pela fé louvemos e nos prostremos agradecidos porque o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu... (exclamação de Ap 5:5).
Que esta seja a moldura de nossa vida para a glória de Deus!

(Foi publicado originalmente no sítio ibsolnascente.blogspot.com em 23 de abril de 2010)

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Os 10 Mandamentos - quadro comparativo

Tanto o Judaísmo como as diferentes vertentes histórias do Cristianismo reconhecem as Leis e Mandamentos de Deus catalogados em 10 princípios básicos.  Ate aqui tudo bem.  O problema é que, embora todos tenham a mesma base, a distribuição dos mesmos mandamentos não é uniforme em cada uma delas.  Veja no quadro a seguir uma comparação entre elas:

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

PREPARANDO PARA A ADORAÇÃO

Prepare-se para encontrar-se com o seu Deus, ó Israel.
(Am 4:12)
Mexendo no baú da Adoração, seria bom hoje retirar um pouco a poeira daqueles que contribuem para que a igreja cultue ao Senhor de maneira efetiva e relevante.
Deus é cultuado pelo seu povo, mas há uma parte desse povo que faz do seu trabalho uma preparação para que todos tenham a oportunidade de adorar melhor.  E aqui queria começar pensando especificamente de fora para dentro – começando a olhar para aqueles cujo trabalho nem sempre aparece.  Deus tem sido louvado no trabalho de irmãos e irmãs que fazem o melhor de si para que tudo esteja no lugar e funcionando durante a execução do Culto Público: são aqueles que cuidam de áreas como limpeza, som e iluminação do local de culto; recepção e acolhimento dos que chegam para adorar; atenção para as crianças durante o momento do culto; etc.  Todos estes cultuam a Deus com as suas atividades específicas.
No texto de Ef 4 nós lemos que o Espírito de Deus capacitou alguns no meio de povo para exercer atividades específicas tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos.  Assim nós aprendemos que todos os que servem na igreja preparando ou durante o culto em primeiro lugar foram capacitados por Deus, logo a ele prestarão contas das suas obras.  Em segundo lugar foram colocados nas suas respectivas funções para contribuir para que a igreja se aperfeiçoe em sua adoração, logo a prioridade deve ser sempre o grupo cristão e não a individualidade.
Estes são os que Deus tem usado na preparação do culto, que estejam submissos à sua vontade e disponíveis para servir ao Corpo de Cristo.

(do livro "No Baú da Adoração" publicado em 2004)

terça-feira, 6 de outubro de 2015

O contexto eclesiástico das epístolas joaninas – 3ª parte

Continuando a examinar o contexto eclesiástico das epístolas joaninas (reveja a primeira parte aqui e a segunda parte aqui).
AS IDÉIAS DISSIDENTES –
Basicamente as idéias dissidentes abrangiam quatro áreas (e aqui julgo como corretas as idéias que assim foram aceitas pelos cristãos dos séculos seguintes e que canonizaram o texto bíblico): a cristologia, a ética, a escatologia e a pneumatologia.  A ênfase recaindo nas duas primeiras.
A partir do que condenado nas epístolas – e só daí temos documentos confiáveis – podemos deduzir que a cristologia dissidente dentro da comunidade joanina era uma interpretação híbrida de gnosticismo e docetismo do Evangelho.  Em resumo, criam que o Jesus histórico era distinto do Cristo pré-existente e que este último incorporou o primeiro por ocasião do batismo e que o deixou momentos antes de sua morte pois o Cristo – éon imortal de Deus – não podia jamais passar pelo sofrimento pois isso só caberia à carne mortal, assim como as paixões.  Para refutar tais idéias, o autor foi conclusivo: "Todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus" (1Jo 4:2 – conferir também 3:23; 4:15 e 5:1-5).
Quase que conseqüência desta primeira idéia, pensavam os dissidentes que por terem intimidade com Deus e este não ter pecado, então eles também tinham uma áurea de impecabilidade, sendo assim livres de qualquer regra ética ou moral pois qualquer coisa que chegassem a fazer isso não implicaria em culpa ou pecado.  Outra desdobramento era o total desprezo aos mandamentos de Deus e a outros textos bíblicos.  Contudo é bom ressaltar que ressaltar que não há provas de que, na prática, os adversários do autor levavam uma vida de libertinagem imoral.  Se a disputa era no campo da interpretação do Evangelho, o autor afirmou então que "se dissermos que não temos pecados nenhum ... a verdade não está em nós" (1Jo 1:8 – conferir também 1:6-10; 2:4-9 e 4:20).
Os dois outros pontos caminham quase que em paralelo: pensavam eles que a escatologia e a pneumatologia já haviam sido consumadas e portanto nada se poderia esperar deste mundo – enquanto o autor trilha a idéia de que o Espírito (grego: Παράκλητος) estava ao lado da igreja para lhe acompanhar no desenrolar de sua história.
IDENTIFICAÇÃO HISTÓRICA DOS DISSIDENTES –
Finalmente se faz necessário uma rápida identificação histórica de qual grupo possuía as características do item anterior e portanto mereceram o repúdio do autor joanino.
Num análise a priori as idéias dissidentes parecem se casar com as dos docetas que não criam na encarnação do Verbo (grego: Λόγος).  Mas as implicações disto é diferente nos adversários joaninos e nos docetas, pois enquanto os últimos viam a Jesus como uma simples configuração (aparência) humana, não possuindo corpo físico concreto, os primeiros apenas parecem não aceitar que o Jesus histórico e o Cristo pré-existente fossem a mesma pessoa.
Tradicionalmente têm-se visto os gnósticos como os tais adversários por conta da aproximação destes com os escritos joaninos, o quem facilitaria uma interpretação sob seus próprios modos do Evangelho.  Mas se este tivesse sido o caso – o que parece ser pouco provável pois os gnósticos só chegaram a ser significativamente notados no seio da igreja a partir do segundo quartel do segundo século – uma aproximação das epístolas e do próprio Apocalipse com o grupo que teria sido inconcebível.  O que deve ter acontecido é que tal aproximação além de casual, foi posterior ao problema que originou a escrita das epístolas.
Outra opinião que tem ganhado corpo é que o grupo seria o dos nicolaítas, mencionados em Ap 2:6 e 14-15 como um grupo rejeitado e de certo modo relacionado com a comunidade de Éfeso, para onde devem ter sido destinadas as epístolas.  Mas se fosse assim, como se explicaria a total omissão tanto deste grupo como dos seu líder nas epístolas?
A verdade é que qualquer conclusão sobre quem seriam concretamente este grupo não passará de especulação.  Provas a favor e contra sempre existirão, para todos os casos.
CONCLUSÃO –
"Lembra-te, Senhor, de tua igreja, para livrá-la do todo mal e aperfeiçoá-la no teu amor; reúne esta igreja santificada dos quatro ventos no teu reino que lhe preparaste, pois teu é o poder e a glória pelos séculos.  Amém" (Didaquê 10:5).