terça-feira, 12 de dezembro de 2017

SITUANDO O APOCALIPSE – O final do 1º século cristão

O livro de Apocalipse que lemos na Bíblia é um livro sui generis no conjunto dos nossos livros sagrados.  Sabemos que o autor estava exilado na Ilha de Patmos (cf. Ap 1:9), uma pequena elevação grega no Mar Egeu para onde, na época, os romanos degredavam seus criminosos e opositores.
Mas não foi somente isso que influenciou na produção da obra.  Então, para ajudar a entender melhor o contexto onde o livro surgiu, veja a seguir em linhas rápidas algumas observações sobre o mundo de então:
* A Grande Pirâmide de Gizé já tinha 2.500 anos.  Em Roma, o Coliseu ainda não tinha sido construído.  Os geógrafos da época sabiam que a Índia era no Extremo Oriente, a Etiópia era no extremo sul, a Ibéria para o oeste, e "Scythia" e "Celtica" para o norte.  A Grã-Bretanha já era conhecida, e os estudiosos mediterrânicos tinham uma ideia de que a Escandinávia existia, mas não a sua extensão (este eu copiei de www.fatosdesconhecidos.com.br).
* Desde o século anterior, florescia no Oriente o que ficou conhecido como "estilo apocalíptico" de escrever.  Ele consistia basicamente no uso excessivo – quase abusivo – de mensagens cifradas e figuras (algumas certamente beirando ao surrealismo!), também o recurso de códigos principalmente numéricos para descrever realidades não quantificadas.  Além de narrar o futuro mesclando um ponto de partida histórico com um visionário.
* No final do primeiro século da era cristã, a igreja já havia se expandido a todo o Império Romano e já alcançava diversas regiões além das fronteiras romanas.  Comunidades cristãs organizadas se reuniam em boa parte do mundo conhecido de então.  Com a expansão cristã em um período tão curto e abrangendo áreas tão diversas seria natural que pensamentos e doutrinas estanhas à verdade original da fé começassem a se infiltrar na igreja.
* Observe ainda, na mesma linha, que a expansão do cristianismo colocou a nova igreja em contato com grupos religiosos diversos, gerando uma espécie de concorrência pela primazia da verdade e da fé do povo.  Esta situação, em diversos casos, provocou um endurecimento da postura polêmica da fé cristã em detrimento de sua mensagem de amor e esperança.
* Também com a chegada do final do século, os primeiros discípulos de Jesus já começavam a morrer, silenciando o testemunho primário daqueles que conviveram com o Jesus histórico e que poderiam com autoridade relatar as verdades pregadas pelo Mestre.
* Outro fato marcante para o cristianismo no final do século foi o receio do Império Romano de que este novo grupo – o Caminho como era chamado – desestabilizasse e subvertesse o império, o que provocou o estímulo à perseguição política romana, além da judaica de cunho puramente religioso.
Foi para este contexto que o livro de Apocalipse foi escrito originalmente.  Quando a fé cristã se viu ameaçada em diversas frentes, a Revelação foi dada a João para que este instruísse a igreja e seus líderes – aos anjos das igrejas – sobre como Deus estava no controle da história e que por fim a igreja triunfante transporia todos os obstáculos e mostraria a sua verdadeira face vitoriosa ao lado do Cordeiro – aquele que é o único digno de toda a nossa adoração.

(Na imagem lá em cima, uma foto moderna do Mosteiro de São João, o Teólogo na Ilha de Patmos, construída sobre o local onde se crê que tenha ocorrida a visão de Apocalipse.  O crédito da imagem é do sítio wikipedia.com)

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

ATOS DOS APÓSTOLOS E A EXPANSÃO DA IGREJA

A expansão oficial da igreja registrada no livro de Atos dos Apóstolos segue a Comissão de 1:8.  Os discípulos estavam reunidos na cidade de Jerusalém aguardando o revestimento do poder do alto conforme instruído pelo próprio Cristo (Lc 24:49) – o que aconteceu no dia de Pentecoste.  Ali começou o ministério da igreja. 
§ Em Jerusalém – Depois da primeira pregação de Pedro alguns discípulos ficaram ainda na cidade de Jerusalém "perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo.  E cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos" (At 2:47). 
Esta é a primeira comunidade cristã.  Podemos chamá-la de Primeira Igreja Cristã no Mundo.
§ Na Judéia – A escolha dos sete no capítulo seis apresenta a solução para o problema causado pelos novos cristãos judeus de fala grega que se queixavam de que as suas viúvas estavam esquecidas na distribuição diária de alimentos.  Este primeiro movimento expansionista da igreja foi discreto mas mostrou que o evangelho já havia ultrapassado os limites de Jerusalém e estava alcançando outros judeus além desta fronteira. 
Neste momento a cidade de Antioquia veio se a tornar o grande centro cristão que serviria de base para as futuras expansões missionárias da igreja. 
§ Em Samaria – O capítulo oito começa com a perseguição e dispersão da igreja; e com a perseguição a igreja rompeu novas fronteiras.  "E indo Filipe à cidade de Samaria, pregava-lhes a Cristo" (At 8:5).  Com o trabalho de Filipe, a igreja foi estabelecida em Samaria seguindo o projeto do Mestre. 
Os apóstolos em Jerusalém tendo ouvido falar da conversão dos samaritanos enviaram Pedro e João que "impuseram as mãos, e eles receberam o Espírito Santo" (At 8:17).
§ Até os confins da terra – O movimento seguinte da igreja começou com a conversão de Saulo (capítulo 9) e iria marcar definitivamente os destinos dos seguidores de Cristo.  A igreja rompeu com as barreiras étnicas e culturais do judaísmo tornando-se uma fé universal – assim como era o projeto original de Deus para seus servos – uma igreja que se projetasse para conquistar o mundo para Cristo. 
Em At 13:2 o Espírito Santo diz: "Separa-me, agora, Barnabé e Saulo para a obra que eu os tenho chamado".  Este chamado despertou o ânimo missionário na igreja e a impulsionou a chegar nos confins da terra.
Deve ser dito ainda aqui que o Livro de Atos dos Apóstolos é um livro inconcluso.  O último versículo mostra Paulo "pregando o reino de Deus e ensinando as coisas concernentes ao Senhor Jesus Cristo, com toda a liberdade, sem impedimento algum" (At 28:31).  A história não termina assim, ainda falta algo a ser escrito.  É a história da igreja que recebeu uma Grande Comissão de seu Mestre e não terminou ainda de cumpri-la. 
O Livro de Atos, por ser um livro narrativo da ação da igreja, continua aberto pois a igreja de Cristo continua atuante buscando chegar definitivamente com a sua mensagem nos confins da terra, aguardando para ver Jesus descer dos céus assim como para o céu foi visto ir (At 1:11).

(Lá em cima na imagem: um mapa com as viagens do apóstolo Paulo e as principais rotas do Império Romano.  O mapa eu encontrei no sítio fonhbowntos.gr

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

OLHEM O CAJUEIRO

O cajueiro que temos em nosso terreno está todo florido!  Está lindo de ver!  Tudo leva a crer que este ano teremos uma boa colheita de cajus e que o Senhor nos brindará com muitos frutos para desfrutarmos de suas bênçãos nos deliciando com o próprio fruto, sucos, sorvetes, mouses, geléias, castanhas e mais o que a criatividade aprontar.  E pelo jeito vai dar para todos comerem e ainda vai sobrar – Deus sempre faz assim!
A visão do cajueiro me trouxe a pensar nas palavras de Jesus quando alertou para observar a figueira (penso que se fosse por aqui ele tinha apontado o nosso cajueiro).  Citado pelos evangelhos sinóticos (Mt 24:32; Mc 13:28 e Lc 21:29), o Mestre instruiu a entender que como a árvore no seu tempo próprio, a nossa existência aqui também demonstra quando o tempo está para chegar.
É claro que não vou cair na esparrela de tentar marcar data para os acontecimentos vindouros, mas olhando o cajueiro preciso cuidar de ficar atento.  E isso implica em duas posturas iniciais: a) não estar ansioso pois é certo que minhas preocupações nem só não vão mudar em nada a realidade das coisas como por vezes até impedirão minha postura de fé (veja o que Paulo disse em Fl 4:6) e b) não permanecer relaxado, ocioso ou desligado já que tais atitudes me afastam dos compromissos e atitudes cristãs (ainda Paulo em 1Co 16:13).
Voltando ao pé de caju.  A verdade é que o cajueiro não traz ou provoca a chegada do verão, mas também é certa a verdade que ele se prepara para que quando chegar o momento certo possa apresentar o melhor dos seus frutos para quem dele cuidou.  Da mesma forma, eu não provoco com minhas atitudes nem a volta de Cristo nem qualquer outro acontecimento do porvir mas devo me preparar adequadamente para quando eles chegarem.  Como fazer isso?  O próprio texto evangélico nos aponta:
No verso de Lc 21:34 leio que não devo sobrecarregar meu coração com as coisas desta vida.  Se minha prioridade é o reino que está preparado desde a fundação do mundo (palavras de Mt 25:34), então é fundamental não me distrair com outras coisas (sobre isso confira Ef 5:11 e 2Tm 2:4).
Também no verso de Lc 21:35 sou instruído a manter uma disposição de vigilância e oração.  É isto que se espera de todo cristão verdadeiro que vive na dependência exclusiva de seu Senhor e sabe que não resta mais muito tempo (veja a parábola das virgens que segue em Mt 25), ou seja, o crente que espera é o crente que vigia e ora sempre (note a ordem direta em 1Ts 5:17).
O cajueiro está florido e ele está me dizendo que o tempo está próximo.  Que eu possa viver de maneira apropriada aguardando o grande dia do Senhor.

(Esta reflexão eu publiquei originalmente na página da IB Sol Nascente em 25/10/2010.  Na época, estava pastoreando aquela congregação e no nosso terreno, entre outras árvores, havia um grande e frondoso cajueiro, que na ocasião estava todo florido – o que serviu de inspiração para o texto.  Aqui eu o reproduzo com as mesmas palavras de então.  E quanto à imagem: ela foi tirada na época e retrata o próprio cajueiro)

terça-feira, 28 de novembro de 2017

A necromante de En-Dor – resposta rápida a 1Sm 28

Compartilho aqui mais uma questão que me foi apresentada via e-mail e a resposta que lhe apresentei. 


Bom dia querido.

O texto de 1Sm 28 é bastante interessante e tem algumas lições a nos ensinar.  Mas antes vamos considerar suas questões:

1) Saul se comunicou com o espírito de Samuel?
Toda a narração conta o que aconteceu no encontro de Saul com a médium sem lhe atribuir valor.  Veja a sequência:
-> A mulher pergunta: "Quem devo fazer subir?"
-> Saul responde: "Samuel"
-> Depois do susto da mulher e da insistência de Saul...
-> A mulher diz: "Vejo um ser que sobe do chão"
-> A conversa prossegue e Saul é quem deduz que fosse Samuel pela descrição.
* O importante aqui é destacar que no original a palavra usada para indicar o "ser" que subiu é elohim (אלהים) que em alguns textos se refere ao próprio Deus, mas que pode muito bem ser traduzido como "deuses" ou "espíritos" – talvez seria melhor: "entidade".

2) Na Bíblia, há evidências que isto, verdadeiramente ou não, aconteceu? 
Esse evento narrado aqui é único na Bíblia.  Em nenhum outro lugar se conta algo parecido.  Mas convém ressaltar:
A Bíblia trata como pecado a tentativa de consultar mortos sobre qualquer questão.  Leia o que diz Dt 18:10-12.  Também Is 8:19 (e aqui a expressão para o 'espírito' é a mesma que encontramos em 1Sm!).
Lembre também que o próprio rei Saul foi punido por esse ato – note 1Cr 10:13-14.

3) No verso 15, mesmo na tradução de Almeida atualizada, afirma: "Samuel disse a Saul"...as principais traduções em português se baseiam em fatos verídicos. Entendo que aquilo que é relatado não é fruto da imaginação de Saul, estou certo ou errado?
Vamos lá.  O que se espera de uma boa tradução é que seja fiel ao texto original.  Avaliações críticas e interpretações ficam por conta da exegese e hermenêutica do texto.
Na citação em particular, o enredo é narrado a partir percepção de Saul (induzido, tendencioso, equivocado !!!).  Neste sentido a tradução fiel diz o que está no original.  Cabe a nós entender a passagem.

4) Como entender a visão da mulher necromante no verso 12?
Lá na resposta da primeira questão já apontei alguns caminhos que devem ajudar a responder esta aqui.  O trabalho de necromancia (mediunidade) está presente em diversas e diferenciadas culturas humanas ao longo de toda a história.  O desejo de obter conhecimento dos mistérios e das divindades nos acompanha!
O texto porém deixa claro que nem mesmo a mulher sabia direito o que estava vendo – observe o comentário dela no verso 13.

Permita-me ainda acrescentar um comentário.  Tenho trabalhado com o "Comentário Bíblico Africano" – ele é bom. E em se tratando deste assunto, nossos irmãos da África parecem dominar mais o assunto.  Veja o que ele diz comentando o texto:

Esses espíritos consultados são demônios, mas geralmente assumem a forma de algum parente ou pessoa conhecida com o intuito de oprimir e exigir sacrifícios.
(...)
O mundo espiritual existe e está repleto de atividade, mas o filho de Deus é vitorioso sobre as atividades do mal porque no calvário Cristo despojou "os principados e as potestades" e nos deu a vitória (Cl 2:14-16) (p. 375).

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

NINGUÉM EXPLICA DEUS

Confesso que não é comum uma música me chamar a atenção assim de cara – principalmente quando se trata da mais recente hit parade.  Talvez com isso eu também esteja confessando um resquício de preconceito, se for, por favor me perdoem!  Mas reconheço que a chancela da história me traz sempre um conforto intelectual e espiritual.  Ainda mais em se tratando de música para a alma.
Então deva ser por isso que as primeiras vezes que ouvi os acordes da canção: Ninguém Explica Deus, da banda mineira Preto no Branco, ainda nos meados do ano passado, não me atiçaram as idéias, nem acalentaram o espírito.
Mas o tempo passou...  Não muito...
Então, eis que mais uma vez a canção volta aos meus fones de ouvido.  Agora parei e dei a atenção devida.  Sim!  Chamou minha atenção.
É verdade: Ninguém explica Deus!
Longe de mim querer analisar aqui o projeto da banda; a escolha das palavras que compõem a música; ou as tendências e critérios do mercado fonográfico.  Não tenho um 'para quê' fazer isso aqui.
O certo é que a melodia calma e a letra da canção me convidaram para passear com as idéias sobre fé, certezas dogmáticas e Revelação.  Penso que essa deve ser a tarefa de todo bom trabalho teológico.
E talvez eu esteja indo longe demais...  mas vou insistir ainda um pouco por aqui antes de voltar à canção.
Agostinho no século IV já dizia: "Fizeste-nos, Senhor, para ti e o nosso coração está inquieto até descansar em ti".  E entendo que ele se referiu bem àquilo que instiga a alma humana: o universal desejo inato de dar sentido a nossa existência passageira nesta terra.
Por isso foram feitas as poesias.  Por isso se contaram as mitologias.  Por isso se descreveram as ciências.  E humilde ou ousadamente: a Teologia.
Isso mesmo.  Tenho trilhado já há algum tempo pelas sendas teológicas (reconheço que ainda em sua periferia!).  Mas tenho experimentado o labor teológico bem mais que um acadêmico "tratado sobre Deus".  Para mim Teologia é uma conversa de fé sobre Deus.  Porque aqui o logos não é ciência – não deve ser – é discurso, diálogo.
E o prefácio do Evangelho de João fica mais nutritivo.  E eu sei que aqui teríamos muito pano pra manga...
Mais do que explicações que casem o Big Bang – ou a última novidade dos achados científicos que comprovem qualquer coisa – pois isso no máximo alimenta minha curiosidade, mas jamais vai tirar minha sede (e como não lembrar da conversa de Jesus com a mulher samaritana em Jo 4!?)
Mais que o Deus que se explica; a minha alma tem sede de Deus; do Deus vivo (Sl 42).  Um Deus que tudo sabe, tudo pode, mas se compraz em seu povo (Sl 149).
Mais que um Deus que elabora tratados: um Deus que me sussurra no silêncio e dá sentido à minha caminhada.
E assim eu vou continuar teologando: não em busca de explicações, mas desfrutando do aconchego de um relacionamento sem igual.
Então vou voltar à canção, ao preto no branco, para poder falar do inexplicável Deus:

Nada é igual ao seu redor.
Tudo se faz no seu olhar.
O universo se formou no seu falar.
Teologia pra explicar,
Ou Big Bang pra disfarçar.
Pode alguém até duvidar.
Sei que há um Deus a me guardar.

Dono de toda ciência, sabedoria e poder.
Oh, dá-me de beber da água da fonte da vida.
Antes que o haja houvesse,
Ele já era Deus.
Se revelou ao seus,
Do gentio ao Judeu.
Ninguém explica Deus.


terça-feira, 21 de novembro de 2017

AS CARTAS DE PAULO

Por muito tempo se habituou a chamar os escritos apostólicos do NT pelo termo clássico: Epístola.  Mas aqui vamos chamá-las apenas de Cartas.  Os dois termos são praticamente sinônimos, contudo este segundo parece expressar um português mais coloquial e assim uma linguagem mais próxima do nosso cotidiano, o que com certeza deveria ser o objetivo dos autores bíblicos: trazer a fé para a simplicidade do dia-a-dia.
Vejamos então as Cartas do Apóstolo Paulo que encontramos em nossa Bíblia uma a uma:
+ Romanos – A maior entre as cartas de Paulo, a Carta aos Romanos pode estar incluída entre as mais belas páginas da literatura mundial pela sua riqueza estilística e clareza de argumentação.  A igreja cristã na cidade de Roma, capital do Império, não foi fundada pelo apóstolo, mas recebeu toda atenção da parte de Paulo.  O tema central desta carta é a relação entre Lei e Graça e a justificação pela fé. 
Justificados, pois, pela fé, tenhamos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo.
(Rm 5:1)
+ 1ª e 2ª Coríntios – Paulo, provavelmente, escreveu mais cartas aos coríntios, mas somente duas foram conservadas em nossas Bíblias.  O apóstolo esteve na cidade de Corinto em sua segunda viagem, quando fundou a igreja local e entre as igrejas do período do NT talvez esta tenha sido a igreja mais problemática.  Aos Coríntios, Paulo escreveu enfatizando a pureza da vida cristã e a necessidade de boa conduta. 
Fugi da impureza. (1Co 6:18)
+ Gálatas – A Galácia era uma região da Ásia Menor visitada por Paulo na sua terceira viagem missionária.  A carta deveria ser algo como uma cartacircular a ser lida por todas as igrejas da região.  Gálatas pode ser considerada uma espécie de resumo da Carta aos Romanos por seu conteúdo e ênfase. 
Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão vale coisa alguma; mas sim a fé que opera pelo amor. (Gl 5:6)
+ Efésios – A igreja na cidade de Éfeso foi fundada por Paulo em sua segunda viagem e por ela o apóstolo nutria um carinho todo especial.  Os assuntos que dominam esta carta são a salvação pela fé em oposição às obras e a conduta cristã na família e na sociedade. 
Portanto, vede diligentemente como andais, não como néscios, mas como sábios.
(Ef 5:15). 
+ Filipenses – Paulo esteve em Filipos na segunda viagem onde ficou preso.  Quando escreveu a carta, também deveria estar preso, o que não impediu de que a Carta aos Filipenses fosse aquela em que o apóstolo mais enfatiza a alegria de ser cristão. 
Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos. (Fp 4:4).
+ Colossenses – A cidade de Colossos deve ter sido visitada por Paulo na sua terceira viagem missionária.  Esta carta, que deveria ser também compartilhada com os cristãos laodicenses, demonstra um certo distanciamento entre o apóstolo e os primeiros leitores mas, mesmo assim, expressa a preocupação do autor com a fé e o crescimento cristão da igreja. 
Pois quero que saibais quão grande luta tenho por vós, e pelos que estão em Laodiceia, e por quantos não viram a minha pessoa. (Cl 2:1)
+ 1ª e 2ª Tessalonicenses – Estas devem ter sido as primeiras cartas escritas por Paulo conservadas no NT.  Paulo esteve em Tessalônica na sua segunda viagem e escreveu as cartas com a clara intenção de fortalecer a fé dos cristãos e animá-los quanto à esperança da volta de Cristo. 
E o próprio Deus de paz vos santifique completamente; e o vosso espírito, e alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.
(1Ts 5:23).
+ 1ª e 2ª Timóteo – As cartas a Timóteo são obra do final do primeiro século quando já a igreja se mostrava com uma relativa organização interna.  Timóteo era um jovem cristão que acompanhou Paulo em sua segunda viagem e se tornou líder da igreja.  As cartas foram escritas como manuais de orientação para líderes. 
Ninguém despreze a tua mocidade, mas sê um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza. (1Tm 4:12).
+ Tito – O personagem Tito não é citado no livro de Atos dos Apóstolos mas Paulo faz referência a ele aos coríntios como sendo alguém de sua relação pessoal.  O objetivo da carta é aconselhar a diversas classes de cristãos a cerca do bom comportamento. 
Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina. (Tt 2:1).
+ Filemom – A pequena Carta a Filemom – na verdade um bilhete – é um encaminhamento do escravo fugido Onésimo que, tendo sido alcançado pelo Evangelho pregado por Paulo, agora retornava ao seu senhor Filemom; devendo ser então recebido com amor cristão. 
Assim pois, se me tens por companheiro, recebe-o como a mim mesmo. (Fm 17)

Em geral:
Nas cartas de Paulo nós encontramos dispostas todas as principais doutrinas da fé cristã, assim como vários conselhos úteis à vida do fiel cristão neste mundo.  Estas cartas são ricos documentos que nos inspiram e ensinam o que devemos crer e como devemos nos comportar.


sexta-feira, 17 de novembro de 2017

SOMOS O BARRO

Ouvi, não faz muito tempo, uma valiosa mensagem proferida pelo amigo e colega pastor Pedro Alexandre (da IB de Estância – aqui em Sergipe).  A reflexão tomou como base o texto da profecia de Isaías que diz: 
Mas agora, ó Senhor, tu és nosso Pai,
nós somos o barro, e tu, o nosso oleiro;
e todos nós, obra das tuas mãos. 
(Is 64:8)
Logo depois da celebração do culto, fui falar com o colega e solicitei autorização para compartilhar pelo menos o esboço e algumas ideias principais aqui neste espaço.
Assim, com a devida aquiescência, comecemos de novo com os pontos principais e alguma pitada pessoal.

SOMOS O BARRO


O ensinamento bíblico diz que nós fomos feitos pelo próprio Deus a partir do pó da terra – do barro.  E é observando o barro que aprenderemos quem somos e quem realmente poderemos ser.
Estas são algumas características do barro.
1.       Nulidade – o barro em si não vale nada.  Não gera riqueza.  Tem muito dele por aí e ninguém luta por ele.  As nações lutam por recursos: ouro, petróleo; mas não por barro.  Ele é comum e frágil.
2.      Fragilidade – diferente de metais ou outros materiais, o barro é sempre frágil.  Em estado natural pode ser diluído facilmente com apenas um pouco de água.  Deformado e reformado.  E se vai ao forno, de lá sai quebradiço.
3.      Involuntariedade – ele pode tomar diversas formas.  Pode ser constantemente deformado e reformado – desfeito e refeito.  E qualquer punhado de barro pode servir para se fazer qualquer coisa. 
E aqui começa a diferença.  O segredo e potencial nunca está no barro – ele continua sendo sem valor, frágil e sem vontade própria.
— Barro não faz birra!
Então, exatamente por isso, o barro se converte na matéria prima perfeita nas mãos do artista.
Quando uma simples matéria prima, um barro qualquer, passa pelas mãos do artista o que era mediocridade vira arte.  O que era nulidade ganha valor – vale uma fortuna.  O que era fragilidade enriquece em densidade – alcança significado.  O que era involuntariedade se objetiva, toma forma – encontra razão de ser.
E antes que haja dúvida: Deus é um eximindo artista, criativo e fecundo!
Assim, quero terminar como o profeta, com um reconhecimento e uma oração:
Meu Deus e meu Pai.  Com alegria me entrego completamente a ti.  Tu és o gracioso oleiro e eu um simples barro.  Em tuas mãos a arte santa e eterna se fazem mim.  E que seja para tua glória.  Amém.