terça-feira, 27 de maio de 2014

Parábola das coisas – A VASSOURA

Eu não era nascido ainda quando Jânio Quadro usou a vassoura como marketing de sua campanha política na década de 1960.  Cheguei a conversar com meu avô sobre aqueles anos, li um pouco também e continuo achando impressionante como uma coisa tão simples pode carregar um simbolismo tão grande a ponto de colocar alguém na cadeira de Presidente da República.
A vassoura de Jânio prometia varrer a bandalheira da política brasileira, contudo não chegou nem a concluir seu projeto – Jânio foi eleito em 1960, tomou posse em janeiro de 1961 e renunciou em agosto, antes de completar um ano de governo.
Mas vamos rebuscar a vassoura como parábola de uma coisa que pode indicar a necessidade de vez-em-quando varrer a sujeira que entulhamos em nossa vida.  Assim como numa casa, minha vida com frequência acumula poeira e lixo e precisa de uma faxina.
Mas de vassoura na mão posso limpar a casa a fundo ou de maneira superficial.  Posso dar uma passada displicente pelo meio da sala ou remexer nos móveis, dar atenção aos cantos onde se acumulam teias de aranha e, claro, evitar a mal-fadada sujeira embaixo do tapete.
Com a minha vida eu faço a mesma comparação.  Junto entulho na alma, no coração, na mente.  Isto enlameia o espírito, embaça os sonhos e enferruja as ideias.  Então é preciso varrer minha vida.
Também com a minha vida, às vezes dou apenas uma limpezinha disfarçada que não resolve nada.  Mas outras vou mais a fundo e me disponho a varrer e limpar cada canto obscuro de minha vida, tirando dela todo resquício de imundície.  Então me sinto novamente arejado, limpo e santo.
E para terminar, a melhor maneira é citando o Mestre Jesus Cristo, criticando a hipocrisia dos fariseus: "porque vocês limpam o prato e o copo mas por dentro estão cheios de sujeira ... limpe primeiro o interior" (tradução livre de Mt 23:25-26).

Nenhum comentário:

Postar um comentário