terça-feira, 5 de agosto de 2014

O Nome de Deus e o Culto do Antigo Testamento

O culto cristão é uma manifestação humana de reconhecimento de sua pequenez e finitude; mas também é um culto que reconhece quem é o seu Deus e como ele almeja ser adorado.  Historicamente, o culto cristão é herdeiro do culto vétero-testamentário e o Deus cultuado em Jesus Cristo é o mesmo que se revelou nas páginas do Antigo Testamento e que desde os antigos pais fez um pacto com o ser humano.  Tendo como absolutamente verdadeiras estas assertivas, então não é errado se concluir que o culto prescrito no AT é modelo para o culto que seguirá a partir do NT; e que o Deus reverenciado então pode ser descrito como os mesmos atributos do Cristo reverenciado agora.
Deus se revelou primeiramente aos pais com um termo genérico – sem dar a conhecer o seu verdadeiro nome – e é assim que é reverenciado e cultuado: o El Elion, o El Shadday, Deus Todo-Poderoso que encarna seu poder no Filho.  O Deus que é Elohim, um Deus plural e majestático e que, por isto, reclama para seu Filho o reconhecimento de sua realeza na concretização do Reino de Deus.  Um Deus plural revelado no Pai, encarnado no Filho e manifestado no Espírito Santo, mas em hipótese alguma não mais de um Deus e sim um Deus único, com um nome único e verdadeiro, que se fez revelado e que precisa ser cultuado e reverenciado.
No mundo antigo, os nomes eram compreendidos como uma extensão e manifestação exata do ser que era nomeado.  Assim a pergunta sobre o nome de Deus é a pergunta sobre a pessoa de Deus, suas características e sua essência.  Ao revelar seu verdadeiro nome para os filhos de Israel e com eles firmar um pacto, Deus está dando-se a conhecer por completo e confirmando que ele é o que seu nome exprime:  YHWH – ou com as vogais propostas: Javé – Aquele que é!  Aquele que é o Senhor dos exércitos de Israel!  Aquele que é um!  Javé será o único Deus para Israel e Israel será possessão eterna para Javé.  Assim, Javé, o Santo de Israel, exige que os seus o adorem com exclusividade e santidade.
É nesta perspectiva que o nome revelado é atribuído a Jesus – o único que pode possuir todos os predicados necessários para portar este nome.  Jesus é o Javé encarnado; e adorar a Jesus é adorar a Javé, cultuar com santidade a regozijo a Jesus é cultuar com santidade e regozijo a Javé.  Ele foi cantado e reverenciado em sua entrada triunfal em Jerusalém (Lc 19:38), um prenúncio da glorificação final que caberá somente a ele.  Montado em um jumento, Jesus recebeu a adoração nas palavras do Salmo 118:26:
Bendito aquele que vem em nome do Senhor!
ברוך הבא בשם יהוה

Nenhum comentário:

Postar um comentário