quinta-feira, 5 de abril de 2012

MAIOR AMOR


"Ninguém tem maior amor do que este..." estas palavras eu leio no Quarto Evangelho.  Elas me falam da comparação absurda entre o maior amor encarnado em Jesus Cristo e a necessidade que tenho de também viver na base do amor (leia em Jo 15:13).
Mas amor não é teoria, nem discurso ou só conversa.  Então, na verdade, o evangelista está me dizendo que ninguém no mundo tem um amor maior que o de Jesus porque ele se deu na cruz do Calvário.  E, nesta época quando estamos celebrando a mais importante e significativa festa cristã, o amor de Cristo será sempre algo que me contagia e completa.
Ora, isso dito de maneira mais simples e nordestina, como é minha alma e minha cultura, devo dizer que quando se trata do maior amor, o amor de Cristo, ele sempre será muita farinha para o meu pirão.  E mais, enquanto esta farinha é derramada no caldo da minha fé, as verdades bíblicas vão se tornando consistentes em minha vida.
Neste sentido, pelo menos dois textos bíblicos engrossam meu pirão.  O primeiro deles é quando o evangelista João vai introduzir o relato do lava-pés.  Ali está dito que Jesus, tendo amado os seus, amou-os até o fim (registrado em Jo 13:1).  Esta simples frase me dá pelo menos mais duas linhas de compreensão.  Por um lado Jesus manteve o seu amor para comigo até o último instante.  Ele não me largou pelo caminho.  Quem já preparou pirão na beira do fogo sabe que o segredo é continuar sempre mexendo o caldo enquanto a farinha vai sendo derramada.  Isso Jesus fez até o fim.
Ainda sobre o mesmo verso, outra linha é entender que Jesus me amou até as últimas consequências.  Ele não permitiu que o pirão se estragasse, embolasse ou se perdesse.  Mesmo no calor do fogo ou com os salpicados constantes – típicos do pirão – o amor o fez assumir por completo minha remissão.  O pirão que sou hoje é porque Jesus suportou tudo por mim.
O outro texto é de Paulo quando diz que o amor de Cristo nos constrange (confira em 2Co 5:14).  Entendo que o apóstolo quer dizer que o maior amor me deixa estupefato, com os olhos brilhando, e com uma palpitação excitada; mas também me desafia, futuca e me deixa encabulado.  E mais: é o amor da cruz que dá gosto ao meu pirão.  Sou completamente envolvido pelo maior amor, dele assumo o sabor e a consistência.
Neste tempo de celebração de páscoa, glorifico a Deus por que ninguém tem maior amor que o de Jesus Cristo estampado no madeiro de Calvário.  E sou grato, pois foi ali que meu pirão foi cozido.  Soli Deo gloria.

2 comentários:

  1. desde quando apnhar que nem um cachorro ser cruxificado ficar morto 3 dias ai voltar subi um morro e viver eternamente no paraiso é algum tipo de sacrificio?????????? porque agora mesmo tem gente passando fome no mundo e o cara q fez o maior sacrificio ta la no "paraiso", que coisa não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que coisa, não!
      Querido, o cara que tá lá no "paraíso", apanhou que nem cachorro, foi crucificado e ficou morto apenas para quitar meu débito eterno (confira novamente Jo 15:13). E hoje ele está no céu me esperando em glória. Mas considere outro aspecto igualmente verdadeiro: o cara do paraíso ainda hoje vê suas chagas sangrarem no sacrifício injusto de nossas crianças que passam fome, são abusadas e lhe negam um futuro descente; elas sangram com as mulheres espancadas e desrespeitadas; nos jovens escravos das drogas (lembre Mt 25:40). Jesus entra no ônibus apertado comigo todo dia, senta para comer a boa fria, e me ajuda a fazer conta para o salário chegar ao fim do mês.
      Que coisa, não!

      Excluir