terça-feira, 24 de maio de 2011

O FRUTO DO ESPÍRITO - a jaca

Já pelo final na Carta aos Gálatas, Paulo faz uma relação de atitudes ou virtudes que ele mesmo caracteriza como fruto do Espírito (leia em Gl 5:22-23).  O apóstolo vinha se ocupando de explanar que em Cristo todos fomos chamados à liberdade (volte a Gl 5:13) e, na continuação do argumento, ele apresenta a oposição entre as obras da carne e o fruto do Espírito.  E desta relação simples, direta e objetiva muita coisa pode ser dita.  Queria hoje começar a ver melhor este fruto.
No grego que tenho em minha mão aqui a expressão é assim mesmo no singular: fruto.  Talvez isso não seja novidade para quem está acostumado a um estudo mais amiúde do texto.  E por isso mesmo já vi muitas ilustrações que tentaram explicar este fruto único com manifestações diferenciadas.  Não vou entrar nos detalhes. 
Veja a minha proposta.
Aqui no meu rico Nordeste brasileiro temos uma quase infinita variedade de frutas bem nossas, cada uma com seu jeito próprio e diferente (se você nunca provou carambola ou manga tirada de vez do pé, não sabe o que está perdendo!).
Mas deixe-me voltar ao fruto de Espírito.  Penso que nenhuma fruta desta terra representa melhor a ideia apostólica que a jaca.  Sei que botânicos e teólogos poderão apresentar argumentos diversos e derivados contra ou a favor da minha escolha.  E até eles tenham razão.  É verdade ainda que ela tem um nome científico bem pomposo: artocarpus heterophylla.  Só que os motivos de minha ilustração é bem mais prosaico: o fruto do Espírito é um fruto, assim como uma jaca é uma jaca.  Siga o meu raciocínio para entender está afirmação óbvia.
Em primeiro lugar a jaca nasce e se desenvolve bem ligada à jaqueira.  O talo é pequeno para uma fruta daquela dimensão, mas ela fica ali grudada até que seu próprio peso a derrube.  Neste momento, com a queda, ela se parte e pode oferecer-se a uma gama de animais que dela se servem.
É fácil lembrar as palavras de Jesus e associá-las à jaca: Vocês também não podem dar fruto se não permanecerem em mim (a citação é do final de Jo 15:4, mas considere todo o texto).  Assim entendo que Jesus disse que se eu estiver nele como a jaca na jaqueira, vou conseguir maturar naturalmente o fruto do Espírito que por sua vez servirá a muitos.
Contudo duas outras características me chamam a atenção e são por demais relevantes para caracterizar a jaca como o exemplo apropriado ao fruto do Espírito.
Em primeiro lugar há a sua forma: a jaca é um conjunto de bagos.  Cada um destes bagos traz em si um caroço (semente) e um pouco de carne que para mim serve principalmente para ser comido.  E como é gostoso!  Mas cada bago só nasce, cresce e amadurece envolto na casca da jaca.  Mesmo que o bago pareça individual, a jaca só é jaca no conjunto da fruta.
Atente para isso: o fruto do Espírito, em cada uma de suas manifestações pode, e deve, apresentar por si as marcas próprias; mas é no conjunto do fruto, abrigado sob o próprio Espírito que ele se faz completo.
O mais peculiar, contudo da jaca é seu visgo e seu cheiro.  Se você não sabe o que é isso, experimente deixar uma jaca aberta em sua geladeira por dois dias e depois veja que até a água nas garrafas ali dentro estarão tomadas por seu cheiro e gosto inconfundíveis.  Do mesmo jeito, o visgo fica preso na mão de quem pega seus bagos direto na fruta.
Assim é o fruto do Espírito.  Ele tem visgo e cheiro tão marcantes e característicos que quando estão presente na minha vida, não tenho como disfarçá-los: ele toma conta de tudo.
Daí posso dizer que a proposta de Paulo foi que produzíssemos jacas do Espírito em nossas vidas cristãs, afinal, se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito (conclusão apostólica em Gl 5:25).
Então, quero lhe convidar a compartilhar comigo algumas reflexões sobre a jaca do Espírito e a partir delas nos impregnar do seu visgo e cheiro produzindo aquilo para o qual fomos liberados.

2 comentários:

  1. Esta sua comparação foi muito legal,o que mais gostei foi do cheiro pois nós temos que ter este aroma de Cristo impregnado em nós.Parabéns amado .

    ResponderExcluir
  2. Querida irmã em Cristo
    É bom tê-la conosco em nosso blog. Boa sua observação de que devemos sempre exalar o perfume gostoso de Cristo, lembrando a citação de 2Co 2:15.
    Um abraço.

    ResponderExcluir